É tempo de greve…

A prefeitura de Florianópolis fica na rua onde trabalho, na quadra ao lado. Hoje saio em meio a tarde para ir à padaria e me deparo com uma multidão de pessoas, com semblantes alegres, umas indo lanchar na padaria, outras conversando e gargalhando em pequenos grupos espalhados pela rua, e mais a frente, em meio à massa, alguém gritava no megafone. Era uma manifestação de greve dos professores.

greve-unifesp-607x434

É impressionante como as pessoas conseguem se mobilizar em grandes manifestações (mesmo que só estejam presentes em corpo físico) quando a causa mexe em seus bolsos. Todo ano é a mesma coisa, o transporte público, os professores, os bancários, até mesmo o judiciário… todos entram em greve. “Greve branca”, greve negra, colorida, todo tipo de greve. Mas as pessoas são tão passíveis à corrupção e à tudo que o sistema impõe que nem sequer sabem ao certo SE, e ONDE estão sendo lesadas pelo mesmo.
Pois se fizessem um esforço mínimo para refletir à respeito, ficaria claro que a situação é grave e digna de greves intermináveis até que muita coisa fosse revista pelos órgãos públicos, e nada, absolutamente nada mexe mais no bolso do cidadão que os impostos abusivos e sem retorno que pagamos todos os anos ao Estado. Mas é mais fácil tirar uns dias de folga e ir na porta da prefeitura brigar por um aumento no salário, aliás, a maioria que ali se encontra, de corpo presente, não precisa fazer muito esforço pra que a greve aconteça, isso fica à cargo do sindicado da categoria.

Os políticos aumentam seus próprios salários em até 60% como aconteceu recentemente, e o povo também quer aumentar o seu, os que trabalham para o poder público fazem paralisações, os demais estão tão atordoados em busca de se profissionalizarem e subirem de cargo, ganharem uma promoção ou um novo emprego, que nem se lembram da política e nem se importam com impostos, inflações e corrupção. O restante… Bom! O restante é a grande maioria, que por ignorância ( e não burrice) não se preocupa muito em ganhar mais, nem mesmo em reivindicar seus direitos. Um aumento todos querem, mas o comodismo é a grande virtude do povo brasileiro, é inclusive daí que surge toda a hospitalidade e alegria do nosso povo, é sempre mais fácil achar um jeitinho de se virar com a situação presente que mover-se afim de muda-la.

Cada um em busca do seu, assim caminha o Brasil. Amanhã é feriado, nem adianta tentar falar sobre nada disso com ninguém. Depois de amanhã a greve deve continuar, os professores querem o seu, os alunos estão sendo prejudicados? Sim, bastante, o que já é ruim fica pior quando nem mesmo o ruim existe. Mas os alunos também querem o seu, os últimos dias de sol antes do frio chegar pedem praia. Os empresários querem o seu, os funcionários também, os motoristas querem um lugar à frente, não vão dar passagem nem que isso custe um acidente. Os policiais querem o seu, não vão perdoar o mendigo faminto, o mendigo quer o seu, vai roubar o garoto rico indefeso. Assim vão, passando uns por cima dos outros. sem dó e sem piedade… Opa! Quer dizer, dó e piedade todos tem não é mesmo? Todo mundo tem um discurso pronto na ponta da língua que justifica qualquer atitude, já que sujo não fala de mal lavado, cada um que coloque sua viseira e siga seu caminho.

OBS: É claro que a greve dos professores tem seus fundamentos, estão reivindicando algo que provavelmente deva ser aumento salarial, e todos nós sabemos que nessa tecla eles têm que continuar insistindo em bater. A mudança da sociedade se encontra na educação, a causa de todos os problemas sociais é a educação, ou falta dela. Torço para que os professores consigam aquilo que reivindicam.
Anúncios

Cidadãos indigentes

Hoje em dia as pessoas perderam sua própria identidade, tornaram-se vítimas de um sistema auto-destrutivo.  Vivemos em sociedade e assim sendo temos o dever de seguir as regras do jogo, porém somos influenciados por um sub-sistema, que é paralelo ao capitalismo. O sistema capitalista é o que mais se adequou à nossa sociedade desde que o homem se deixou tomar  pelos seus egos.  Infelizmente não podemos fugir dessa realidade, sobreviver ao capitalismo é uma necessidade. Mas a questão é usar o sistema contra o sistema, ao invés ser vítima do mesmo. O homem, por sua própria natureza, tem o instinto de adaptar-se ao meio, porém nos tempos atuais é difícil diferenciar o meio do qual vivemos e que é real daquilo que é na verdade uma grande ilusão, efêmero.  Embora sejamos meros animais racionais, a nossa vida gira em torno do mundo material. Desde o momento em que acordamos, passando por todos os momentos do dia, até a hora de dormir, estamos de alguma forma ligados e envolvidos por coisas materiais de todos os tipos. Não podemos fugir nem renunciar à muitas dessas coisas que fazem parte do nosso dia-dia. Não podemos viver sem relógio, pois temos a hora certa de chegar ao trabalho, de levar e buscar os filhos na escola. Seria inviável não ter um forno ou fogão em casa e evitar comer fora, pois plantar para o consumo próprio requer espaço e tempo que muitas vezes não possuímos. Temos que nos vestir adequadamente para freqüentarmos lugares diferentes, por tanto temos que ter a roupa certa para o trabalho, e outra para as horas de lazer. Hoje em dia poucas as pessoas “se dão ao luxo” de não ter um aparelho telefônico, pois na maioria das vezes necessitamos de disponibilidade imediata para o trabalho, a família, os amigos… E se por acaso nos tornamos incomunicáveis, corremos o risco inclusive de perder o emprego, fazendo com que a vida social comece a entrar em colapso, aliás, são diversos os motivos que desestabilizam a vida social, e logo temos que dar um jeito no problema a fim de nos adequarmos novamente ao meio.  É esse o X da questão!  Até que ponto temos que nos adaptar ao meio para sobrevivermos?

O nosso instinto é de sobrevivência, é daí que surge nosso poder de adaptação.  Sobreviver em nosso meio atual significa adaptar-se ao sistema, e isso significa não poder gozar da nossa plena liberdade, significa ter que aceitar que o trabalho faz parte da vida humana e não podemos evitar este fato, embora sejamos animais e necessitemos apenas de nos alimentar para sobrevivermos, tendo para isso todo o planeta cheio de terras férteis das quais ninguém é realmente dono. Adaptar-se ao sistema significa ter que obedecer às leis criadas pelos homens, mesmo que você não concorde com elas. Adaptar-se ao sistema significa um monte de coisas que não tem significado algum!

Existem alguns princípios básicos para a sobrevivência em nosso meio atual. Primeiramente você deve saber que o dinheiro é a base de tudo, e você precisará dele para suprir suas necessidades básicas. Ah não ser que você seja herdeiro de alguma fortuna ou tenha uma renda provinda de alguma fonte da qual não necessite fazer nada além de recebê-la, você terá que trabalhar para conseguir dinheiro. Para arrumar um trabalho pelo qual receba o suficiente para suprir as tais necessidades básicas, você precisará apenas estar vivo e saudável. Com o salário que receberá você terá que suprir as tais necessidades básicas, como comprar ou alugar um imóvel, vestimentas, pagar todos os impostos e se alimentar. Assim a sociedade irá vê-lo como um cidadão. Isso é o suficiente para sua sobrevivência.

Porém… Partindo destes princípios você já sabe que terá que exercer alguma função, que provavelmente ocupará a maior parte do seu dia, em no mínimo cinco dos sete dias da semana, pela maior parte de sua vida. Sendo assim é aconselhável que você escolha uma profissão que lhe agrade, para isso você terá que se especializar e estudar para tal ainda quando jovem. Por falar em jovem, vamos voltar um pouco no tempo, levando em consideração que os princípios aqui mencionados referem-se a um “manual de sobrevivência” direcionado à vida adulta.

Quando criança, sua personalidade será criada nos sete primeiros anos de vida, tendo como base o meio em que viverá, na maioria das vezes sobre influência de seus pais. Na infância você descobrirá o mundo em que vive e surgirão os primeiros questionamentos à respeito da vida, assim como os primeiros desejos materiais. Você não será culpado pelos seus desejos pois não estará agindo com a consciência desperta, serão apenas os primeiros reflexos das influências do sistema capitalista. Tudo dependerá da forma como seus pais ou responsáveis irão lhe educar, assim você saberá o que é certo e errado, e o que é necessário ou apenas futilidade. Mas viver é uma arte que poucos tem o prazer de dominar, até porque para os demais, ir de encontro ao domínio dessa arte significa abrir mão de todo o prazer que a vida oferece. Sendo assim, é bem provável que seus pais já se encontrem no fluxo do sistema. Você irá estudar em algum colégio, e fará amigos, e trocará experiências, e essas experiências serão uma síntese do sistema em que vivem. Seus amigos lhe convencerão a querer uma infinidade de coisas materiais, e se você não tiver muitas delas, será diferente dos demais, se sentirá excluído do ciclo social em que se encontra. Na adolescência seus desejos se tornarão mais fortes e você provavelmente irá ouvir muitos “não” de seus pais. A justificativa para tal resposta será a falta de dinheiro para realizar àquilo que fora pedido. Você terá que optar muitas das vezes por abrir mão de certa atividade para poder exercer outra, como escolher entre o futebol ou a natação. Você terá também que escolher entra o vídeo game ou a bicicleta, e assim por diante… Você provavelmente não terá tudo àquilo que desejar. Se tornará uma pessoa cheia de desejos, e algumas ou muitas decepções/frustrações, se tornará um capitalista!  Se seus pais tiverem boas condições financeiras você se espelhará neles, caso contrário você buscará um caminho diferente dos mesmos para alcançar tais condições. Isso, junto às influências dos amigos, experiências de vida e aspirações, irão contribuir para a escolha da profissão na fase adulta. Então você optará por um curso de nível superior e pode não estar muito certo de sua escolha, isso acontecerá com a maior parte de seus amigos. A partir do momento em que você entrar para a Universidade, você pertencerá ao seleto grupo de pessoas que compõem a classe intelectual do país. O que representa a grande minoria da população em países em desenvolvimento como o Brasil. Neste meio você terá a oportunidade de encontrar pensadores, filósofos e rebeldes (com causa) que questionarão mais a fundo as questões da vida. Para minimizar a pressão que receberá sobre as responsabilidades e deveres da fase adulta você encontrará também o auxílio de drogas dos mais diversos tipos. Você poderá se deparar com elas em qualquer fase da vida, mas no meio universitário é que geralmente as pessoas passam à consumi-las, principalmente o álcool em excesso, que por sua vez esta relacionado também com parâmetros sociais, mais do que pessoais. Com o canudo debaixo do braço e uma formação acadêmica no currículo, você buscará pela melhor vaga de trabalho disponível em sua área.

Agora, aqueles simples princípios básicos de sobrevivência citados acima, onde você precisaria apenas de um emprego do qual receberia um salário para suprir suas necessidades básicas,  se tornaram complexos. Se o ponto de partida fosse a vida adulta seria mais fácil, você teria capacidade de analisar os fatos com a mente desperta e tendo como referência seu próprio instinto de adaptação! Porém, até que você se torne adulto, já terá sido bombardeado por um mundo de ideias e opressão, no instante em que estará indefeso, aprendendo a viver e absorvendo como referencial o próprio sistema.

Salve as exceções!! Algumas pessoas conseguem levar uma vida paralela ao fluxo, são cidadãos e cumprem com suas obrigações como tal, mas não se apegam ao que a sociedade impõe e seguem vivendo, enquanto a grande massa segue sobrevivendo. Algumas se despertam para este fato na fase adulta, outras, ainda na adolescência já tendem a seguir este caminho, essas pessoas vivem num universo paralelo e infiltrado dentro do sistema! Mas para a maioria das pessoas, a tendência é ir cada vez mais ao fundo no fluxo destrutivo.  E são influenciadas por um sub-sistema, que hoje em dia já se confunde com o próprio.

O sistema, por sua própria natureza, induz ao consumismo. Mas este sub-sistema lhe diz que consumir compulsivamente não é o suficiente, depende do que você consome é claro, pois na verdade, nos tempos atuais, estamos perdendo a nossa própria identidade por conta deste mecanismo. A sociedade criou modismos e tendências, e hoje consumimos desde decoradores à psicólogos que irão nos dizer aquilo que é certo ou errado. O ser-humano esta perdendo sua capacidade de raciocínio, de se autoanalisar. E continua cada vez mais se entregando ao que lhe tira a personalidade. 60 mil pensamentos por dia, informações dos mais diversos tipos, muita informação, e pouca capacidade de interpretação.

Até que ponto temos que nos adaptar? Parece que nesse novo milênio, nessa nova era, mais pessoas estão conseguindo se libertar, despertar sua consciência, e ir de encontro ao que é real e válido, digno de ser vivido enquanto experiência de vida! Você já se perguntou porque faz as coisas que faz, porque leva a vida que leva, porque gosta das coisas que gosta, e porque não faz as coisas que queria fazer?? Talvez você não seja você mesmo.

Cigarro, apague essa ideia!

Cerca de 1 bilhão de homens e 250 milhões de mulheres são fumantes em todo o planeta. A  Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que este numero se refere a aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina. Enquanto países mais desenvolvidos se empenham em campanhas contra o tabagismo, os países menos desenvolvidos o apoiam. Mas se o cigarro é tão nocivo à saúde, porque tantas pessoas em todo o mundo fumam?

Não se sabe ao certo quando e onde surgiu, sabe-se que povos antigos usavam tabaco, assim como plantas psicoativas, em rituais religiosos. Mas a origem do uso recreativo se perdeu na história. Foi no século XX que o cigarro se espalhou pelo mundo, ganhando adeptos por toda parte. Em meados dos anos 60/70, o ato de fumar era visto inclusive como charme pela sociedade ocidental, e o cigarro ganhou espaço principalmente nos bares e casas noturnas da época.

São diversos os fatores que levam uma pessoa a experimentar o cigarro. Na maioria das vezes, a curiosidade, já que o cigarro é tão presente em nossa cultura. Depois de se tornarem dependentes da nicotina, muitos sentem vontade de abandonar o vício, mas nem sempre conseguem com sucesso, é onde começa o drama de muitos fumantes, que passam a vida abandonando e retomando o vício. Talvez a maior dificuldade dos que tendem a largar o hábito seja a ligação direta deste com a rotina do usuário. O cigarro, diferente de outras drogas, é usado em qualquer lugar, não é necessário esconder da família, dos amigos, das pessoas na rua e nem da polícia. Também diferente das outras drogas, é usado várias vezes ao dia, o fumante acende um cigarro quando acorda, e depois de vários cigarros ao longo do dia, termina acendendo outro antes de dormir. O cigarro se torna o melhor “amigo” daquele que fuma, agindo no sistema nervoso, é um estimulante e causa sensação de relaxamento, o fumante então passa a criar hábitos, como fumar após a refeição, após o ato sexual, para acompanhar o café, a cerveja… e principalmente nos momentos de estresse, tristeza, euforia e alegria. Estes fatores fazem com que muitos fumantes não sintam vontade de largar o cigarro, embora sejam conscientes de seus danos.

Mas o vício tem um preço, todos os anos morrem cerca de 5 milhões de pessoas no mundo vítimas do tabagismo. Muitos só conseguem abandonar o vício após sofrerem algum dano a saúde, onde quase perdem a vida ou desenvolvem alguma doença como o câncer. O cigarro é, atualmente, o maior problema de saúde pública mundial. Mata mais que a Aids, a Malária e a Varíola juntas. As autoridades tem o poder de reduzir estes dados com campanhas educativas e leis mais severas aos produtores de cigarro, como aumento de impostos e proibição de propaganda. O Brasil é referência nesta luta, entre 2006 e 2010, o número de brasileiros fumantes caiu de 16,2% para 15,1%. Mas em alguns países como a Índia, o governo permite que as empresas divulguem seus produtos e incentivem o tabagismo.

Para os fumantes, vale sempre a conscientização, não é preciso esperar um susto para abandonar o cigarro, pois as vezes este susto pode custar a vida, e ser tarde demais. Para os que não fumam, vale lembrar que mais de 94% de toda a população mundial esta  exposta ao fumo, são os fumantes passivos. Nós temos o dever, como cidadãos, de alertar aos demais e fazer parte desta luta contra a maior epidemia dos nossos tempos. Cigarro: Apague essa ideia!

2012 interrogações

Depois das festas de fim de ano, comidas, bebidas, simpatias, abraços, reflexões, overdoses, ressacas e… enfim, começa um novo ano, cada um à sua maneira, mas todos compartilhando a contagem do tempo, que para alguns, termina aqui! E onde termina seu calendário?

Este será um ano de muitas interrogações, muitos pontos de vista e algumas meias verdades.

Meu réveillon foi na praia de Copacabana, Rio de Janeiro RJ. Comecei o ano tomando muita chuva, no dia seguinte, mais chuva e muita dificuldade em encontrar um táxi para o aeroporto, a telefonista da central de táxi diz que o tempo de espera para Copacabana é de uma hora, e praticamente todos os que passam na rua estão ocupados, restam 50 minutos para meu voo. Por fim tenho sorte em flagrar um táxi deixando um passageiro e consigo apanha-lo. No dia seguinte saio de Vila Velha ES, de volta para Florianópolis SC. Depois de aproximadamente oito horas de espera em Campinas SP, consigo embarcar no voo atrasado para Floripa, mas minha bagagem chega danificada. Aguardo na fila para   reclamações onde muitos tinham a bagagem extraviada. Enfim consigo chegar em casa bem, e apesar dos pesares, satisfeito com a viagem de fim de ano.

Mas a chuva que tomei em meio a 2 milhões de pessoas na praia de Copacabana e que em nada me atrapalhou é a mesma chuva que vem colocando a vida de milhares de pessoas em risco no sudeste do país neste início de ano, além das muitas que já se foram. As ruas alagadas nas cidades do Espírito Santo, a chuva forte que causa deslizamentos e enche os rios que transbordam em Minas Gerais, os rios que descem de Minas com grande volume de água para o estado do Rio de Janeiro levando tudo que encontram pela frente. São conhecidos dilemas do nosso Brasil. Enquanto isso, Santa Catarina que em 2008 passou por uma tragédia similar, agora sofre com a seca, assim como o Rio Grande do Sul. Sim, um país de contrastes, mas investimentos em infra-instrutura urbana evitariam muitos dos desastres dos quais o mau tempo leva a culpa. Será que sai mais barato investir em prevenção com obras públicas ou gastar milhões em ajuda às vítimas da chuva e da seca todos os anos?

Outro dia me encontrava fumando o cigarro e observando a paisagem na sacada de um apartamento em Vila Velha ES, no 6° andar. A paisagem típica de grandes cidades, muitos prédios, alguns bem altos na orla da praia, que obstruíam a vista para o mar do local em que me encontrava, cerca de 3 ou 4 quarteirões da praia. Algumas árvores nas ruas dava uma visão a mais da natureza além do céu. Então num momento de reflexão me lembrei dos Incas, e das ruínas de Machu Picchu. Imaginei se fosse possível um Inca viajar para o futuro em sua época, e viesse parar bem ali ao meu lado, vendo tudo aquilo que eu estava à observar. Ele ficaria espantado com a grandeza e sofisticação de nossas construções, ficaria fascinado vendo as pessoas passando em velocidades absurdas dentro de automóveis nas ruas, já que os Incas não conheciam a roda. As luzes, os prédios que se erguem como se fossem alcançar o céu… seria surreal para alguém que nunca imaginara algo parecido. Porém, o sujeito Inca ao meu lado, ao observar a chuva que caia sobre a cidade, iria notar que não temos um sistema de drenagem de água eficiente, e portanto as ruas alagam, e me pergunto o que passaria pela cabeça deste Inca, sendo que Machu Picchu tem um fantástico sistema de escoamento da água da chuva, que além de permitir que a cidade se mantenha segura no pico da montanha, reaproveita a água da chuva em várias fontes espalhadas pelas vielas. Algumas prioridades e valores estão invertidos!! Para que mesmo que pagamos os maiores impostos do mundo?

Assim como a chuva não atrapalhou minha festa, o caótico acesso à táxi no Rio também não impediu que eu chegasse a tempo no aeroporto. Porém, com certeza muitos não tiveram a mesma sorte que eu. Conversando com o taxista no caminho, descobri que o sistema de transporte público na cidade estava pior do que parecia, principalmente ao que diz respeito ao serviço de táxi. Os taxistas reivindicam uma faixa que defina um preço     à ser cobrado em dias de grande movimento como o réveillon, um preço justo que satisfaça tanto os taxistas como os passageiros. Enquanto isso não acontece, muitos deles desligam o taxímetro  e cobram a corrida no tiro, o que faz com que os passageiros as vezes paguem um preço injusto pelo serviço prestado! Então vale lembrar que o Brasil vai sediar a copa do mundo em 2014, e o Rio será a cidade-sede do evento. As obras para a copa estão atrasadas em todo o país. O presidente da Fifa, Joseph Blatter,  disse que está preocupado com o andamento das obras de infraestrutura e dos estádios. Ele confirmou que vem ao Brasil se reunir, em janeiro ou fevereiro, com a presidente Dilma Rousseff. Blatter já afirmou inclusive que o Brasil está mais atrasado que a África, na ocasião em que sediou a última edição da copa. Este ano será crucial para o Brasil avançar com as obras, caso contrário, o prazo para entrega destas, pode exceder o evento, e os últimos ajustes feitos em cima da hora trarão além de muitas críticas, gastos extras para os cofres públicos. Somos nós que pagamos essa festa, será que vale a pena? Futebol e cartão de visita pra gringo ou educação e salários dignos para nossos professores??

Somente nesta última semana, eu, minha mulher, assim como sua avó, tivemos a bagagem danificada nos aeroportos. As filas para reclamações nos guichês das companhias aéreas fazem parte da rotina destes. Felizmente eu não tive maiores problemas, e fui ressarcido pelo dano que sofri. Mas o extravio de bagagens tem sido alto e isso deixa claro a falta de organização das empresas. Recentemente, fotos e vídeos tem sido postados em redes sociais e noticiados em telejornais mostrando o descaso dos funcionários de empresas aéreas com as bagagens dos passageiros, no vídeo, os funcionários jogam as bagagens no chão e em cima umas das outras como se fossem sacos de areia. Seria o salário incompatível com a função para tamanha falta de profissionalismo? Qual seria o problema??

Liguei a TV e o jornal anunciava o corte em gastos militares nos EUA, logo associei a medida à eleição presidencial que acontece este ano. Na reportagem, membros do governo americano diziam que de agora em diante não poderiam mais lutar em duas guerras simultaneamente, como ocorreu recentemente, no Afeganistão e Iraque. Além da redução do numero de soldados americanos na América do Sul e África. Porém eles garantiam a paz mundial com o poder bélico e militar que ainda iriam possuir. A maior potencia mundial realmente se sente dona do mundo. Mas fica claro, dia após dia, o declínio deste império, presenciamos o auge desta nação, e a história, assim como os fatos, apontam para a queda! Países emergentes cada vez mais em destaque, Europa em crise, e o Brasil a maior potencia da América Latina. Mas temos um longo caminho pela frente. Primeiro ano de mandato da presidente Dilma Rousseff, e eu na verdade mal vi o teu rosto e escutei teu nome nos jornais, será que este ano ela vai dar as caras?

Falando em potencias em crise e queda de impérios, eis que temos agora a maior interrogação do ano, o fim do mundo!! Todos comentam sobre a profecia, na verdade, a maior parte das pessoas que comentam sobre o fim se baseiam no calendário maia, que termina em 2012. Mais precisamente este fato ocorreria em dezembro deste ano. Porém estudiosos não concordam quanto a interpretação do calendário, e algumas charges abordam com humor o tema, onde a “caneta” do Inca responsável pela produção do calendário simplesmente acabou a tinta em 2012, e ele deixou incompleto. Sugerindo que o 2012 pode não ser o fim do calendário, ou mesmo que seja, não significa o fim do mundo. Esotéricos acreditam no fim de um ciclo, o início de uma nova era, as datas também não são unanimes, e variam de 1966 à 2012, sendo este um período de transição, onde a diferença de algumas décadas são insignificantes se comparadas ao tempo que dura cada ciclo. Já alguns cientistas acreditam em uma enorme onda de calor, causada por explosões solares, que atingirá nosso planeta, danificando toda nossa rede elétrica assim como as ondas de comunicação por satélites e eletroeletrônicos. Mas muitos, assim como eu, não se preocupam com tudo isso. Carpe Diem!! Minha mulher me disse: “Se a força do pensamento atrai as circunstâncias, o fato de muitas pessoas em todo mundo estarem mentalizando o fim do mundo não faria com que este se tornasse um fato?” Bom! Eu não sei. Pois assim como alguns se concentram nisso, outros se concentram nas suas atividades futuras, e fazem planos, e fecham negócios… e estes são a maioria!! E você, já esta preparado para o próximo fim do mundo?

Este será um ano de muitas interrogações, mas acredito que 2013 será o ano de muitas exclamações… E para todos que questionam a vida e interrogam a mente, e também os que apenas deixam a vida passar, um feliz ano novo! Muita positividade, paz e amor!!

Nós somos as crianças de ontem, quem serão as crianças de amanhã?

No dia 12 de outubro, comemoram-se várias datas, dentre elas o dia de Nossa Senhora Aparecida, a santa padroeira do Brasil, que mobiliza milhares de fiéis no maior país católico do mundo. Também comemora-se o dia do descobrimento da América, embora quase ninguém saiba, considero de relevância, digno de reflexões a respeito da importância deste fato e suas consequências… Mas sem dúvidas, a maior comemoração se deve ao dia das crianças! Sim, é importante comemorar, presentear e fazer felizes mais que de costume as crianças pelo dia em que é de sua homenagem. Mas a data deve ser além de alegrias, um suspiro pelas crianças que são injustiçadas, pois o dia não é somente das crianças felizes em seus lares, mas sim, o dia de todas as crianças.

A personalidade de uma pessoa é formada nos seus primeiros anos de vida, mais precisamente nos seus primeiros 7 anos. Muitos pais desconhecem essa informação, imaginam que seu filho de 2 anos de idade não entende nem raciocina a respeito dos fatos que acontecem ao seu redor, dando a eles a liberdade de agir indiferente à criança, como se ela fosse, literalmente, um zero a esquerda, que só precisa de cuidados para sobreviver, como se fosse um animal irracional, como o cachorro da família… Assim, fica subtendido para estes pais, que a educação só deve ser passada aos filhos quando estes já estão cientes da realidade em que vivem, infelizmente isso só acontece quando a personalidade da criança já esta praticamente formada.

Não existe um manual contendo a fórmula correta de se criar um filho, e cada um o faz da sua própria maneira, mas é fundamental que aqueles que são responsáveis pela criança saibam que seus comportamentos influenciam direta e indiretamente na formação desta. Talvez a atitude mais nobre dos pais seria, a partir do momento da confirmação da gravidez da mulher, avaliar seus hábitos. Qualquer pessoa que faça uma auto-análise encontrará pontos negativos ou desfavoráveis que devem ser revistos, mas muitas vezes isso não é de sua vontade. Muitos fumantes são completamente cientes do males do tabagismo, e embora saibam que o ato de fumar é de extremo prejuízo às suas saúdes, não se importam em continuar com o vício, pois assim o fazem porque gostam. Mas no contexto aqui abordado, a auto-análise não é somente de interesse pessoal, é um levantamento de dados que influenciarão positiva e negativamente a criança que esta por vir. Então, se trata de algo que envolve terceiros, e eu iria mais longe, e diria que envolve uma situação onde ocorre impacto direto sobre uma pessoa indefesa, podendo afeta-la negativamente, causando traumas emocionais que poderão acompanha-la por toda a vida. Portanto, a partir do resultado de uma análise pessoal, feita em futuros pais como mencionado a cima, estes deveriam avaliar seus hábitos não somente pelo ponto de vista pessoal, mas sim pela vida que está por vir e que os terá como maior exemplo!

Se a gravidez foi planejada ou se foi um simples acidente, isso não é de interesse da criança. Assim como não importa como foi a gravidez de sua mãe, o que importa é que ela o gerou e por isso você esta aqui agora. Tudo o que nos cerca, todas as coisas materiais e imateriais, todos os pensamentos e toda filosofia, toda ciência e toda fé, tudo que possa ser concebido por nossa mente, assim como todas as teorias que aqui proponho, são parte de uma única coisa, que se chama vida! A vida é a razão de tudo que existe, se não existisse a vida, não poderíamos cogitar o simples fato de pensar sobre isso. E a vida começa no útero de uma mulher, de uma mãe. E se tratando de nós seres-humanos, podemos planejar o início de tudo isso! A vida se fez presente, e veio ao mundo mais uma criança, e cabe aos responsáveis por ela fazer valer a pena àquela vida.

Eu poderia citar dados estatísticos que mostram números alarmantes sobre a juventude no Brasil e no mundo, e propor soluções, assim como instigar novas propostas, mas isso tudo esta disponível para qualquer pessoa que faça uma breve pesquisa na internet. A solução para um mundo melhor para todas a crianças, assim como para todas as pessoas e para o planeta em si, está nas futuras gerações. Nós lançamos as idéias, elas vão sendo amadurecidas, assim como fizemos com idéias lançadas no passado. Mas a única forma de fazer se tornar realidade todas as boa idéias, é um senso comum que traga benefícios para a sociedade, compartilhado por todo o mundo. Já existem diversos grupos e organizações que desempenham este papel, mas o mundo anda doente demais para compartilhar o bom senso. Investir na educação de nossas crianças e incentiva-las à fazer o bem e agir da forma mais sensata em todos os aspectos da vida, levando sempre em consideração a natureza e os demais, é o princípio de toda a mudança. Mobilizações mundiais em prol de ideais que proporcionem um melhor convívio entre os homens é o caminho para a igualdade social. As futuras gerações tem as ferramentas para compartilhar idéias e fazer as maiores revoluções que o mundo já viu. Cabe à elas saberem usar tudo que tem em mãos, e para isso, é preciso investir em educação! A educação é a base de tudo, e sempre será! É impossível acabar com toda miséria que hoje existe, e levar um mínimo de conforto(saúde, educação, lazer) para todas as crianças da noite para o dia, mas é possível fazer isso no futuro, e as crianças de hoje serão a  salvação das crianças de amanhã.

Por isso devemos hoje celebrar à vida, e homenagear todas as crianças. Que elas sejam felizes e descubram da melhor forma possível o mundo ao qual vieram.

As crianças são as sementes da nova era! E com as palavras de Mahatma Gandhi eu vos convido a refletir a respeito de como tratamos nossas crianças: “Nós devemos ser a mudança que queremos ver no mundo”

Amy Winehouse (in memoriam)

Em um mundo globalizado onde somos bombardeados de informações o tempo todo, fica difícil memorizar fatos que não tem muita ligação direta com nossas vidas. Fatos externos, ou seja, notícias diversas que não nos atingem, mesmo que nos chame a atenção, se perdem na memória. As vezes, minutos após recebermos uma notícia, já não “lembramos” mais dela…

Estamos em Outubro, e lembrar do que aconteceu em julho não é tarefa das mais fáceis… Mas estamos sediando novamente o Rock in Rio, e um evento desse porte aguça nosso senso crítico, e então começamos avalia-lo. A infra-estrutura; a segurança; o transporte… mas principalmente, as atrações! Quem não deveria ter vindo? Quem deveria realmente ter vindo? Quem realmente fez falta? Para essa última pergunta, a resposta é certa: Amy Winehouse! Homenageada ontem pelo grupo britânico Coldplay, nos fez imaginar como seria gratificante te-la neste evento. Embora sua participação no Rock in Rio Lisboa em 2008 tenha sido um fracasso devido ao uso abusivo de álcool,.Amy sempre surpreendia a todos. Com seus altos e baixos, entre vaias e aplausos, Amy conseguiu mostrar todo seu talento, e se transformou na mais recente lenda da música pop que nós conhecemos. E quem não gostaria de vê-la no palco mundo?! Quem não ficaria ansioso para te-la como ultima atração da noite?! As câmaras e os jornalistas a procura de Amy nos camarins, o que ela estaria aprontando antes do show…?! Uma coisa é certa, o show de Amy seria memorável!

E voltando ao início da conversa, agora fica mais fácil lembrar do que aconteceu em julho não é mesmo?! 23 de julho de 2011, Amy Winehouse morre aos 27 anos. E para quem acreditava que os clássicos da música haviam morrido com o ultimo milênio, Amy entra para este seleto grupo no século XXI, e infelizmente, por ironia do destino, repete o feito de grandes astros do rock, que morreram aos 27 anos, vítimas de seus vícios. Aliás, a causa da morte de Amy ainda não foi revelada, análises toxicológicos realizadas em seu corpo revelaram que no momento da morte ela não tinha ingerido drogas ilegais. Janis Winehouse, mãe da cantora, diz que o médico tinha lhe receitado um psicofármaco contra a síndrome de abstinência, uma tentativa de desintoxicação de álcool, que para alcoólatras, pode ser perigoso se feito sem acompanhamento médico, e como diz Mitch Winehouse, pai de Amy, ela fazia tudo em excesso, e pode ter sofrido uma overdose de medicamentos. O inquérito oficial saí este mês!

E nesse mundo globalizado, cheio de informações e músicas novas, não iremos esquecer jamais daquela que foi a maior atração musical da primeira década do milênio.

Amy Winehouse in memoriam.


“Arquitetura…” Teoria Prévia – Por Thiago Rocha

O conceito de arquitetura pode ser simples e complexo. A arte de projetar edifícios, como é classificada comumente nos dicionários, se restringe ao homem moderno, ou talvez nem tão moderno assim, mas exclui o homem primitivo. Podemos entender arquitetura como um conceito de residir, tendo-a como filosofia antes de objeto de criação. Assim, o homem primitivo que se abrigava em cavernas, mesmo que não movê-se uma pedra sequer para modificar o abrigo natural que encontraras, ou seja, mesmo não criando nem modificando o ambiente, ele escolhia o melhor dentre os abrigos para residir, elaborando assim, critérios para a escolha do melhor local, criando desde então um conceito de lugar ideal.

O que vemos hoje como arquitetura é herança de anos de teorias e conceitos criados por influência das sociedades de cada época, sucessivamente. Herança da evolução da humanidade e seus ideais. Podemos afirmar então, que a arquitetura que veremos nos próximos 50 anos, será reflexo da arquitetura que se faz hoje, e a não ser que se anule todo o conceito já existente sobre ela, esta seguirá uma linha de raciocínio lógico e previsível, submissa a tecnologia e tendências, que definem o comportamento social do homem moderno.

Anular todos estes preceitos é o que tenho como a essência da arquitetura, e talvez, a filosofia primordial de influência direta sobre o ser-humano. Já que o conceito de lugar ideal(abrigo) é tão remoto quanto as estratégias de caça e qualquer outro vestígio que defina o início de uma sociedade ancestral. Isto está além de qualquer ideia concebida sobre algo efêmero. Isto remete ao tempo em que toda ação era impulsionada por instinto, inclusive a própria concepção de lugar ideal.

A arquitetura como instinto em buscar abrigo/refúgio se faz presente em qualquer comportamento animal, o pássaro joão de barro (ver: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_de_barro) inclusive constrói seu abrigo com elementos da natureza, um verdadeiro arquiteto não?! O que hoje nos difere dos demais animais é nosso comportamento racional, que nos influencia em toda e qualquer ação que executemos. O ato de construir/escolher um abrigo, para nós, é influenciado por uma infinidade de fatores, que constituem padrões de arquitetura que a faz como conhecemos hoje.

Podemos comparar civilizações distantes, que nunca mantiveram contato umas com as outras, e que no entanto, possuem semelhantes idéias sobre arquitetura.  Os antigos povos nativos da América, os Incas, os Astecas, os índios, e do outro lado os Gregos, os Romanos, além da instigante arquitetura oriental. Todas possuem elementos em comum, que nos levam a refletir sobre o surgimento de tais, já que foram criados por sociedades com distintas linhas de pensamento e influenciadas somente por si próprias. Os templos Astecas em forma piramidal nos remetem às pirâmides do Egito, ambas construídas numa época em que era impossível um contato físico entre estes dois povos, elementos de influência espiritual, elementos de cunho religioso, coincidências?! O formato clássico de quatro paredes que sustentam um telhado, as portas e janelas em suas formas geométricas. Cômodos… Qual seria mesmo o objetivo? Se proteger do mau tempo e dos predadores? Talvez, nos primórdios… mas a arquitetura se transformou na arte de criar estes espaços, e toda a evolução do ser-humano foi incorporada ao seu habitat, o seu abrigo se tornou o seu lar. Percebe-se a inversão de valores: O homem que vivia no campo e procurava o abrigo por questões de necessidade, e o homem que vive no abrigo e procura o campo por questões de necessidade.

Minha proposta é rever estes conceitos, e não criar uma nova arquitetura, mas sim, recria-la! Buscar respostas para perguntas que só foram feitas uma única vez, romper padrões, e personalizar projetos de estética e funcionalidade.